terça-feira, 3 de junho de 2014

O Gambá e o Ouriço, Meimei / Chico Xavier - Espiritualidade para Crianças

Em mata muito bonita, vivia um pequeno Ouriço com sua família.
Certo dia, saindo para procurar comida, o Ouriço encontrou um animal que ele não conhecia. Tinha os pelos do corpo pretos e uma interessante faixa branca que ia da cabeça até o rabo.
Eles se olharam com curiosidade. O Ouriço perguntou ao animalzinho:
— Quem é você?
E o outro respondeu:
— Meu nome é Gambá. E o seu?
— Eu sou Ouriço.
Os dois ficaram se observando, enquanto procuravam o que comer. De repente, eles viram um apetitoso almoço.
Ambos correram para pegar a comida, mas chegaram ao mesmo tempo.
Olhando-se agora com estranheza, ambos irritados, reagiram ao mesmo tempo e, como era da natureza de cada um, o Gambá despejou uma secreção de cheiro horrível sobre o Ouriço; e o Ouriço arremessou seus espinhos sobre o Gambá, que fugiu assustado e gemendo de dor.
De maneira diferente, ambos sofreram com os ataques. O Ouriço não suportava o cheiro horroroso que ficara em seu corpo; revolvia-se no solo, mexendo o focinho e reclamando:
— Que horror!... Que fedor!...
Por sua vez, o Gambá sofria com os espinhos que ficaram enterrados em sua pele, causando-lhe muita dor, e gemia:
— Ui... Ui... Ui... Socorro!...
Mantendo distância um do outro, mesmo sofrendo, o Gambá e o Ouriço ficaram se olhando para ver qual deles ia desistir primeiro da comida. Durante horas ali permaneceram na mesma posição. O tempo passava, a fome aumentava, e nada!
Como, apesar do tempo e do sofrimento, nenhum dos dois resolvia desistir, a fome, cada vez maior, fez com que entrassem num acordo. Um deles propôs:
— Vamos dividir a comida? 
— Vamos — o outro concordou.
Depois de se alimentarem, já satisfeitos, o Gambá reclamou:
— Veja como você me deixou! Estou todo ferido!...
— E eu? Veja como estou! Tão fedorento que nenhum animal mais vai querer se aproximar de mim! Nem minha mãe e muito menos meus irmãos! — retrucou o Ouriço.
O Gambá pensou um pouco e propôs:
— Por que não ficamos amigos? Eu ajudo você a se livrar do cheiro e você me ajuda a retirar os espinhos das costas que tanto me ferem. O que acha?
— Tudo bem. Eu concordo. Não podemos continuar deste jeito! — aceitou o Ouriço.
Então, o Gambá levou o Ouriço até um riacho que corria ali perto e fez com que ele se lavasse bem. Depois, procurou umas folhas bem cheirosas — que era um segredo dele —, amassou-as e jogou-as sobre o corpo do Ouriço, retirando o cheiro ruim. 
Em seguida, o Ouriço, agora mais satisfeito e livre do cheiro, foi retirando os espinhos das costas do Gambá.
Afinal, depois de tudo resolvido, eles entenderam que ser amigo e respeitar o outro é sempre a melhor atitude para se viver sem problemas.
Desse dia em diante, eles passaram a brincar juntos, como bons companheiros. Quando se desentendiam, o problema era resolvido sempre em paz, pois ambos se lembravam do que poderia acontecer se ficassem bravos.
Assim devemos agir todos nós. Diante de um desentendimento, o melhor é conversar em paz e com respeito pelo outro, e tudo ficará bem!
MEIMEI
(Recebida por Célia Xavier de Camargo, em 28/10/2013.)
Fonte: Revista "O Reformador"

Fonte: http://www.espiritbook.com.br/group/evangelizacao-infantil-e-grupo-de-jovens/forum/topic/show?id=6387740%3ATopic%3A1715929&xgs=1&xg_source=msg_share_topic

Sem comentários:

Enviar um comentário