segunda-feira, 17 de março de 2014

Um minuto com Chico Xavier



Estávamos – diz Adelino Silveira – na residência do Chico. Seu estado de saúde não lhe permitia deslocar-se até o Centro.
A multidão se comprimia lá na rua em frente.
Quando o portão se abriu, a fila de pessoas tinha alguns quarteirões. Foram passando uma a uma em frente ao Chico. Pessoas de todas as idades, de todas as condições sociais e dos mais distantes lugares do País. Algumas diziam:
– Eu só queria tocá-lo...
– Meu maior sonho era conhecê-lo...
– Só queria ouvir sua voz e apertar sua mão.
Uns queriam notícias de familiares desencarnados, espantar uma idéia de suicídio. Outros nada diziam, nada pediam, só conseguiam chorar.
Com uma simples palavra do Chico, seus semblantes se transfiguravam, saíam sorridentes.
Ao ver as pessoas ansiosas para tocá-lo, a interminável fila, a maneira como ele
atendia a todos fiquei pensando: “Meu Deus, a aura do
Chico é tão boa... seu magnetismo é tão grande, que parece que pulveriza nossas dores e ameniza nossas ansiedades”.
De repente, ele se volta para mim e diz:
– Comove-me a bondade de nossa gente em vir visitar-me.
Não tenho mais nada para dar. Estou quase morto. Por que você acha que eles vêm?
Perguntou-me e ficou esperando a resposta.
Aí, pensei: Meu Deus, frente a um homem desses, a gente não pode mentir nem dizer qualquer coisa que possa vir
ofender a sua humildade (embora ele sempre diga que nunca se considerou humilde).
Comecei então a pensar que quando Jesus esteve conosco, onde quer que aparecesse, a multidão o cercava. Eram pessoas de todas as idades, de todas as classes sociais e dos mais distantes lugares. Muitos iam esperá-lo nas estradas, nas aldeias ou nas casas onde Ele se hospedava. Onde quer que aparecesse, uma multidão o cercava. Tanto que Pedro lhe disse certa vez: “Bem vês que a multidão te comprime”.
Zaqueu chegou a subir numa árvore somente para vê-lo. Ver, tocar, ouvir era só o que queriam as pessoas. Tudo isso passou pela minha cabeça com a rapidez de um relâmpago. E como ele continuava olhando para mim esperando a resposta, animeime a dizer:
– Chico, acho que eles estão com saudades de Jesus.
Palavras tiradas do fundo do coração, penso que elas não ofenderam sua modéstia.
A multidão continuou desfilando. Todos lhe beijavam a mão e ele beijava a mão de todos.
Lá pelas tantas da noite, quando a fila havia diminuído sensivelmente, percebi que seus lábios estavam sangrando. Ele havia beijado a
mão de centena de pessoas. Fiquei com tanta pena daquele homem, nos seus oitenta e oito anos, mais de setenta dedicados ao atendimento de pessoas, que me atrevi a lhe perguntar:
– Por que você beija a mão deles?
A humildade de sua resposta continuará emocionando-me sempre:
– Porque não posso me curvar para beijar-lhes os pés.

(Do livro “Momentos com Chico Xavier”, de Adelino da Silveira.1ª ed. 1999.)


Fonte: Leia mais lindas mensagens acessando o Site Mensagem Espíritahttp://www.mensagemespirita.com.br/chico-xavier/ad/um-minuto-com-chico-xavier

sábado, 15 de março de 2014

Terapia da oração

Recurso valioso para todo momento ou necessidade, a oração encontra-se ao alcance de quem deseja paz e realização, alterando para melhor os fatores que fomentam a vida e facultam o seu desenvolvimento. 

A oração é o instrumento pelo qual a criatura fala a Deus, e a inspiração lhe chega na condição de divina resposta. 
Quando alguém ora, luariza a paisagem mental e inunda-se de paz, revitalizando os fulcros da energia mantenedora da vida. 

A oração sincera, feita de entrega íntima a Deus, desenvolve a percepção de realidades normalmente não detectadas, que fazem parte do mundo extrafísico. 

O ser material é condensação do energético, real, transitoriamente organizado em complexos celulares para o objetivo essencial da evolução.

Desarticulando-se, ou sofrendo influências degenerativas, necessita de reparos nos intrincados mecanismos vibratórios, de modo a recompor-se, reequilibrar-se e manter a harmonia indispensável, para alcançar a finalidade a que se destina.

O psiquismo que ora, consegue resistências no campo de energia, que converte em forças de manutenção dos equipamentos nervosos funcionais da mente e do corpo. 

A oração induz à paz e produz estabilidade emocional, geradora de saúde integral. 

A mente que ora, sintoniza com as Fontes da Vida, enriquecendo-se de forças espirituais e lucidez. 

Terapia valiosa, a oração atrai as energias refazentes que reajustam moléculas orgânicas no mapa do equilíbrio físico, ao tempo que dinamiza as potencialidades psíquicas e emocionais, revigorando o indivíduo. 

Quando um enfermo ora, recebe valiosa transfusão de forças, que vitalizam os leucócitos para a batalha da saúde e sustentação dos campos imunológicos, restaurando-lhes as defesas.

O indivíduo é sempre o resultado dos pensamentos que elabora, que acolhe e que emite. 

O pessimista autodestrói-se, enquanto o otimista auto-sustenta-se. 

Aquele que crê nas próprias possibilidades desenvolve-as, aprimora-as e maneja-as com segurança. 

Aqueloutro que duvida de si mesmo e dos próprios recursos, envolvendo-se em psicosfera perturbadora, desarranja os centros de força e exaure-se, especialmente quando enfermo.
Assemelha-se a uma vela acesa nas duas extremidades, que consome duplamente o combustível que sustenta a luz, até sua extinção.

A mente que se vincula à oração ilumina-se sem desprender vitalidade, antes haurindo-a, e mais expandindo a claridade que possui. 

Envolvendo-se nas irradiações da oração a que se entregue, logrará o ser enriquecer-se de saúde, de alegria e paz, porquanto a oração é o interfone poderoso pelo qual ele fala a Deus, e por cujo meio, inspirado e pacificado, recebe a resposta do Pai. 

Ao lado, portanto, de qualquer terapia prescrita, seja a oração a de maior significado e a mais simples de ser utilizada.

Autor: Joanna de Ângelis
Psicografia de Divaldo Franco. 

Livro Momentos Enriquecedores

Tentações Afetivas


Esta sede insaciável de prazer renovado, leva-te ao desequilíbrio. 
Essa busca irrefreável de afeto que te plenifique, conduz-te ao abismo da loucura. 
Tal ansiedade por encontrar quem te compreenda e apóie, oferecendo-te segurança integral, empurra-te para os precipícios dos vícios dissolventes. 
A pressa de encontrar quem esteja disposto a doar-te ternura, afasta os corações que pretendem ajudar-te, porque em faixa afetiva diferente eles se te afeiçoam em espírito, enquanto vibras outra forma de necessidade. 
A insatisfação, face ao muito que desfrutas, gera em ti distúrbio lamentável de comportamento, que ameaça a tua vida. 
O que falta, a qualquer pessoa, é resultado do seu mau uso em oportunidade transata. 
Carência de hoje, foi desperdício de ontem. 
Ninguém há, que se encontre, na Terra, completo e realizado. 
Na área da afetividade, a cada momento defrontamos amores eternos que depois se convertem em pesadelos de ódio e crime. 
Muitas promessas "para toda a vida", às vezes, duram uma emoção desgastante e frustradora. 
Sorrisos e abraços, júbilos infindos de um momento, tornam-se, sem motivo aparente, carantonhas de rancor, agressões violentas e amarguras sem nome. 
Tudo, no mundo corporal, é transitório, forma de aprendizagem para vivências duradouras, posteriormente. 
Assim, evita sonhar, acalentando esperanças absurdas, nas quais pretendes submeter os outros aos teus caprichos pessoais, que também passarão com rapidez. 
O que agora te parece importante, mais tarde estará em condição secundária. 
Ontem aspiraste determinada conquista que, lograda, hoje não te diz mais nada. 
Se desejas o amor de plenitude, canaliza as tuas forças para a caridade, transformando as tuas ansiedades em bem-estar noutros muito mais necessitados do que tu. 
Não desvies a tônica da tua afetividade, colocando sentimentos imediatistas, que te deixarão ressaibos de desgostos e travos de fel. 
A outra, a pessoa que, por enquanto, consideras perfeita e capaz de completar-te, é tão necessitada quanto o és tu. 
Na ilusão, adornas-lhe o caráter, para descobrir, mais tarde, o ledo engano. 
Conserva puro o teu afeto em relação ao próximo e não te facultes sonhos e fantasias. 
Aquilo que mereces e de que necessitas, chegará no seu momento próprio. 
Reencarnaste para aprender e preparar o futuro, não para fruir e viver em felicidade que ainda não podes desfrutar. 
Cuidado, portanto, com as aspirações-tentações, que se podem converter em sombras na mente e em sofrimentos incontáveis para o coração. 

Afirmou Jesus, que os Seus "discípulos seriam conhecidos por muito se amarem", sem que convertessem esse sentimento-luz em grilhão-treva de paixão. 
Autor: Joanna de Ângelis
Psicografia de Divaldo Franco. Do livro: Vigilância.
Fonte: EB - Postado por claudie lopes

ACIDENTES; Fatalidade ou IMPRUDÊNCIA?


        O Espírito André Luiz no capítulo n. 41 do livro "Os Mensageiros, relata um interessante caso ocorrido em certa zona rural, onde ele e mais alguns Espíritos, prestavam atendimento a encarnados. Ouçamos um trecho do relato:
        -(...) "O campo é também vasta oficina para os serviços de nossa colaboração ativa", disse Aniceto (...).
        Nesse momento, nossa atenção foi atraída por significativo movimento na estrada próxima.
        Dirigimo-nos para lá, seguindo os passos do instrutor Aniceto, que parecia adivinhar o acontecido.
        Observei, então um quadro interessante: um homem jazia por terra, numa poça de sangue, ao lado de uma pequena carroça puxada por um impaciente cavalinho. Dois companheiros encarnados prestavam socorro ao ferido, apressadamente. "É preciso conduzí-lo à fazenda sem perda de tempo", dizia um deles, aflito, temo haja fraturado o crânio". O número de Espiritos que também auxiliava o pequeno grupo de homens, todavia, era grande.
        Um amigo espiritual que me pareceu o chefe, naquela aglomeração, recebeu Aniceto e a nós com deferência e simpatia, explicou rapidamente a ocorrência. O carrroceiro havia recebido a patada do cavalo e era necessário socorrer o ferido.
        Serenada a situação, vi o referido superior hierárquico chamar  um Espírito guarda do caminho, interpelando:
        - Glicério, como permitiu semelhante acontecimento? Este trecho da estrada está sob sua responsabilidade direta.
        O subordinado, respeitoso, considerou sensatamente:
        - Fiz o possível por salvar este homem, que, aliás, é um pobre pai de familia. Meus esforços foram improfícuos, pela imprudência dele. Há muito procuro cercá-lo de cuidados, sempre que passa por aqui; entretanto, o infeliz não tem o mínimo respeito pelos dons naturais de Deus. É de uma grosseria inominável para com os animais que o auxiliam a ganhar o pão. Não sabe senão gritar, encolerizar-se, surrar e ferir. Não estima senão a praga e o chicote. Hoje, tanto perturbou o pobre cavalo, que o ajuda, tanto castigou, que pareceu mais animalizado... Quando se tornou quase irracional, pelo excesso de fúria e ingratidão, meu auxílio espiritual se tornou ineficiente. Atormentado pelas descargas de cólera do condutor, o cavalinho humilde o atacou com a pata. Que fazer? Minha obrigação foi cumprida...
        O superior, que ouvia atenciosamente as alegações, respondeu sem hesitar:
        - Tem razão.
        - Entretanto, auxiliemos o homem, disse Aniceto, quanto esteja em nossas mãos, cumpramos nosso dever com o bem, mas não desprezemos as lições. Esse trabalhador  imprudente foi punido por si mesmo. A cólera é punida por suas consequências (...) Como homem comum, nosso pobre  amigo sofrerá muitos dias, chumbado ao leito, entre as aflições dos familiares, demorar-se-á um tanto a restabelecer o equilibrio orgânico; mas, como Espírito eterno, recebeu agora uma lição útil e necessária.
****************************************************************************
OUTRO CASO INTERESSANTE;
        Contam que o compositor Nelson Motta estava na Bahia quando resolveu visitar a Mãe Menininha de Gantois. Tomou um taxi e, no caminho, o motorista perdeu completamente o freio. O carro rodopiou no meio da pista de alta velocidade, passou raspando por outros veículos, mas a além do susto- nada de grave aconteceu.
        Ao encontrar-se com Mãe Menininha, a primeira coisa que Nelson contou foi o quase acidente no meio do caminho. 
       - Existem certas coisas que já estão escritas, mas Deus dá um jeito de que passemos por elas sem nenhum problema mais sério. Ou seja, fazia parte de seu destino um acidente de carro nesta altura de sua vida - disse Mãe Menininha. Mas, como você vê -concluiu ela - aconteceu tudo, e não aconteceu nada.
******************************************************************************
        Temos aí dois casos: no primeiro, apesar de toda a proteção os bons Espíritos não conseguiram evitar o acidente; no segundo, certamente também com apresença de amigos espirituais, nada de mais grave aconteceu.
        Podemos evitar acidentes, ou tudo está escrito e nada pode ser modificado? As conclusões ficam por conta de você, estimado leitor. Muita paz.

TENDE CALMA, do livro "Caminho, Verdade e Vida" - Emmanuel / Chico Xavier


Tende Calma

"E disse Jesus: Mandai assentar os homens." - (JOÃO, capítulo 6, versículo 10.)

'Esta passagem do Evangelho de João é das mais significativas. Verifica-se quando a multidão de quase cinco mil pessoas tem necessidade de pão, no isolamento da natureza.
Os discípulos estão preocupados.
Filipe afirma que duzentos dinheiros não bastarão para atender à dificuldade imprevista.
André conduz ao Mestre um jovem que trazia consigo cinco pães de cevada e dois peixes.
Todos discutem.
Jesus, entretanto, recebe a migalha sem descrer de sua preciosa significação e manda que todos se assentem, pede que haja ordem, que se faça harmonia. E distribuí o recurso com todos, maravilhosamente.
A grandeza da lição é profunda.
Os homens esfomeados de paz reclamam a assistência do Cristo. Falam nEle, suplicam-lhe socorro, aguardam-lhe as manifestações. Não conseguem, todavia, estabelecer a ordem em si mesmos, para a recepção dos recursos celestes. Misturam Jesus com as suas imprecações, suas ansiedades loucas e seus desejos criminosos. Naturalmente se desesperam, cada vez mais desorientados, porqüanto não querem ouvir o convite à calma, não se assentam para que se faça a ordem, persistindo em manter o próprio desequilíbrio.

ditado pelo Espírito Emmanuel, psicografado por Francisco Cândido Xavier. no livro Caminho, Verdade e Vida

Receitinha de André Luiz - Em seu Auxílio

Conserve a própria fé, por tal modo, que você não possa se afligir, excessivamente, em nenhuma dificuldade.

Guarde otimismo, com tamanha elevação que os contratempos da vida não lhe venham a ferir.

Habitue-se à tolerância com tanta fidelidade, que consiga se ver sempre na posição da pessoa menos simpática, evitando ressentimento ou a censura.

Cultive o amor ao próximo, com tanto empenho que você não consiga fixar-se em qualquer aversão.

Creia na influência e na vitória do bem, com tanta convicção, que não possa prender-se à qualquer ideia do mal.

Sustente a própria compreensão, de tal maneira, que não disponha de meios para ver inimigos e sim amigos e instrutores, em toda parte.

Resguarde-se no trabalho, com tanta dedicação ao bem, que não conte com qualquer ensejo de atrapalhar aos outros.

Faça o melhor que puder, em qualquer situação, com tamanho devotamento à felicidade alheia que não sofra arrependimento ou remorso, em tempos de crise.

Atenda à harmonia, onde estiver, com tanta pontualidade, que não encontre motivos para perder a própria segurança.

Consagre-se a descobrir o "lado bom" das criaturas e das situações, com tanta pertinácia, que não ache oportunidade para criticar a ninguém.

Se fizermos isso, estejamos certos de que assim venceremos.
André Luiz/ Chico Xavier

A Lenda da Caridade - Meimei

Diz interessante lenda do Plano Espiritual que, a princípio, no mundo se espalham milhares de grupos humanos, nas extensas povoações da Terra.

O Senhor endereçava incessantes mensagens de paz e bondade às criaturas, entretanto, a maioria de desgarrou no egoísmo e no orgulho.

A crueldade agravava-se, o ódio explodia...

Diligenciando solução ao problema, o Celeste Amigo chamou o Anjo Justiça que entrou, em campo e, de imediato, inventou o sofrimento.

Os culpados passaram a resgatar, os próprios delitos, a preço de enormes padecimentos.

O Senhor aprovou os métodos da Justiça que reconheceu indispensáveis ao equilíbrio da Lei, no entanto, desejava encontrar um caminho menos espinhoso para a transformação dos espíritos sediados na Terra, já que a dor deixava comumente um rescaldo de angústia a gerar novos e pesados conflitos.

O Divino Companheiro solicitou concurso ao Anjo Verdade que estabeleceu, para logo, os princípios da advertência.

Tribunas foram erguidas, por toda parte, e os estudiosos do relacionamento humano começaram a pregar sobre os efeitos doma ledo bem, compelindo os ouvintes à aceitação da realidade.

Ainda assim, conquanto a excelência das lições propagadas repontavam dúvidas em torno dos ensinamentos de virtude, suscitando atrasos altamente prejudiciais aos mecanismos da elevação espiritual.

O Senhor apoiou a execução dos planos ideados pelo Anjo da Verdade, observando que as multidões terrestres não deveriam viver ignorando o próprio destino.

No entanto, a compadecer-se dos homens que necessitavam reforma íntima sem saberem disso, solicitou cooperação do Anjo do Amor, à busca de algum recurso que facilitasse a jornada dos seus tutelados para os Cimos da Vida.

O novo emissário criou a caridade e iniciou-se profunda transubstanciação de valores.

Nem todas as criaturas lhe admitiam o convite e permaneciam, na retaguarda, matriculados ns tarefas da Justiça e da Verdade, das quais hauriam a mudança benemérita, em mais longo prazo, mas todas aquelas criaturas que lhe atenderam as petições, passaram a ver e auxiliar doentes p obsessos, paralíticos e mutilados, cegos e infelizes, os largados à rua e os sem ninguém.

O contato recíproco gerou precioso câmbio espiritual.

Quantos conduziam alimento e agasalho, carinho e remédio para os companheiros infortunados recebiam deles, em troca, os dons da paciência e da compreensão, da tolerância e da humildade e, sem maiores obstáculos, descobriram a estrada para a convivência com os Céus.

O Senhor louvou a caridade, nela reconhecendo o mais importante processo de orientação e sublimação, a benefício de quantos usufruem a escola da Terra.

Desde então, funcionam, no mundo, o sofrimento, podando as arestas dos companheiros revoltados: a doutrinação informando aos espíritos indecisos quanto às melhores sendas de ascensão às Bênçãos Divinas; e a caridade iluminando a quantos consagram ao amor pelos semelhantes, redimindo sentimentos e elevando almas, porque, acima de todas as forças que renovam os rumos da criatura, nos caminhos, humanos, a caridade é a mais vigorosa, perante Deus, porque é a única que atravessa as barreiras da inteligência e alcança os domínios do coração.
Meimei/ Chico Xavier

LEI DO RETORNO

Embora muitos de nós não entendamos o funcionamento das Leis de Deus, elas se manifestam a cada instante da vida, como mensageiras da Justiça e do Amor Divinos.
Paulo e sua esposa estavam atravessando uma avenida de grande movimento na cidade de São Paulo, quando perceberam, no outro lado da rua, dois rapazes que também os olhavam.
O marido pressentiu que seriam assaltados e disse à esposa para cuidar melhor da bolsa que levava à tiracolo.Como não tinham mais como desviar o caminho, foram em frente, com os corações sobressaltados.
Quando se aproximaram mais, um dos rapazes se adiantou e, acenando, gritou: Olá, Dr. Paulo, como vai o senhor?
Paulo, sem saber ao certo quem era, cumprimentou-o, trocou algumas palavras e foi em frente, aliviado por não ter ocorrido o assalto que ele pressentira.
Passadas duas semanas, Paulo foi para a cidade do interior, onde residira por muitos anos, a fim de rever familiares e amigos.
Na oportunidade, aproveitou para visitar uma família que dele recebia auxílio continuado, há anos.
A mãe da família disse-lhe, para sua surpresa: O senhor sabia que quase foi assaltado, recentemente, em São Paulo?
E ele respondeu: Mas como a senhora sabe disso?
E ela continuou: Na verdade, soube pelo meu filho, o mais velho, que o senhor conheceu ainda rapazinho, mas que há anos vive sozinho por aí, por opção. Ele enveredou pelos descaminhos da vida. Esteve aqui dia desses e comentou que encontrou o senhor numa rua.
Disse que estava com um amigo e juntos preparavam-se para assaltar alguém, quando o reconheceu, bem como sua esposa.
Lembrou-se de todas as vezes que o senhor e Dona Estela vêm aqui em casa e o quanto já nos ajudaram nesses anos todos.
Rapidamente ele se antecipou ao amigo, gritando o seu nome e vindo em sua direção, para criar obstáculo ao outro comparsa e demonstrar que o senhor não podia ser assaltado, pois era conhecido.
Graças a Deus ele não cometeu nenhum desatino com o senhor.
Graças a Deus, respondeu Paulo. E ficou a pensar nas coincidências da vida. Nesse caso uma coincidência feliz.
Essa história demonstra que quem semeia o bem há de colher o bem, diante da Lei de Amor e Justiça, que é Lei de Deus.
Causa e efeito: Paulo causou o bem a alguém e o efeito foi se beneficiar do resultado desse bem distribuído em nome do auxílio ao próximo.
Pensando em Lei de causa e efeito, ou também conhecida como Lei de retorno, podemos procurar entender algumas questões da vida.
Ontem, colocamos o orgulho e a vaidade no peito de um irmão que nos seguia os exemplos menos felizes. Hoje, talvez o tenhamos de volta, na feição de esposo despótico ou de filho problema, para sorvermos juntos o cálice da redenção.
Ontem, esquecemos compromissos veneráveis, arrastando alguém ao suicídio. Hoje, possivelmente reencontramos esse mesmo alguém na pessoa de um filhinho, portador de moléstia irreversível, atendendo-lhe, à custa de lágrimas, o trabalho de reajuste.
Ontem, abandonamos a companheira inexperiente, à míngua de todo auxílio, situando-a nas garras da delinqüência. Hoje, moramos no espinheiro, em forma de lar, carregando fardos de angústia, a fim de aprender a plantar carinho e fidelidade.
Assim, cada elo de simpatia ou cada sombra de desafeto que encontramos na família ou na atividade profissional, podem ser forças do passado a nos pedir mais amplas afirmações de trabalho e dedicação ao bem.
Tenhamos sempre em mente que todos os delitos que cometemos não desaparecerão no silêncio do túmulo, porque a vida prossegue, além da morte, desdobrando causas e consequências.
Assim sendo, diante de toda dificuldade e de toda prova, façamos o melhor ao nosso alcance.
Ajudemos aos que partilham conosco as experiências, e oremos pelos que nos perseguem, desculpando todos aqueles que nos injuriam.
A humildade é a chave de nossa libertação. Dessa forma, sejam quais forem os obstáculos, lutemos por superá-los com dignidade e honradez.
E não nos esqueçamos de que a conquista da nossa felicidade começa nos alicerces invisíveis da luta dentro do próprio lar.

Redação do Momento Espírita, com base em fato e em mensagem do livro Leis de Amor, pelo Espírito Emmanuel,
psicografia de Chico Xavier e Waldo Vieira, ed. Cec.
Em 31.05.2011.

Espírito e consciência

As Leis de Deus estão escritas em nossa consciência. A consciência do espírito imortal conhece, intuitivamente, o que é certo e o que é errado; ou melhor, o que está de acordo com as Leis de Deus e o que está contrário às Leis de Deus.

A consciência se desenvolve, se aprimora, se aperfeiçoa com o progresso do espírito. A Conscienciologia, do dissidente espírita Waldo Vieira, substituiu a palavra espírito pela palavra consciência. A consciência, no final das contas, é o saber que se é, é a percepção de que se existe, de que se é um indivíduo, um ser único.

Quanto mais progredimos, mais a consciência sabe distinguir o que convém e o que não convém, mais a consciência percebe e compreende as Leis de Deus. Conforme o espírito imortal evolui, através de inúmeras reencarnações, mais e mais se questiona sobre quem é, de onde veio e para onde vai.

Um espírito pouco evoluído, com um grau de consciência precário, pouco percebe das Leis de Deus. Sua responsabilidade é menor, pois não dispõe de pleno conhecimento das consequências de seus atos, não tem a noção exata do que é ou não é conveniente.

À medida que se aprimora, o espírito desenvolve a consciência de si mesmo, se dá conta de suas responsabilidades em relação à Vida, ao mundo, às pessoas que o cercam, a si mesmo. Sua consciência cria mecanismos que o avisam sempre que incorre em erro, sempre que se desvia do caminho reto. Então experimenta as dores morais, tão mais fortes e intensas quanto mais se teima em não obedecer à voz da consciência.

Um espírito razoavelmente evoluído sofre por coisas que o menos evoluído nem sequer percebe, nem sabe que existem. Com a evolução, o espírito sofre não só pelo mal que eventualmente pratica, mas pelo bem que deixa de fazer.

A Lei de causa e efeito se utiliza da consciência para promover a rearmonização do universo. Cada vez que um pensamento, palavra ou ação perturba a harmonia do universo, uma reação de mesma intensidade é gerada a partir do registro feito pela consciência faltosa visando reparar a ordem quebrada.

Somos cobrados pela consciência sempre que infringimos as Leis de Deus. Quanto mais desenvolvida a consciência, maior a cobrança. Muito diferentes em intensidade e alcance serão as cobranças de uma consciência incipiente de um homem medíocre ou maldoso, e de uma consciência desperta de um homem moralmente sadio.

Conhecer a si mesmo é desenvolver a consciência. Sócrates já nos ensinava o autoconhecimento, quatrocentos anos antes de Cristo. Somos seres complexos; há muito o que conhecer. Mas desde que haja a firme resolução de conhecer com profundidade a si próprio, é um caminho sem volta.

Quanto mais ouvirmos a consciência, mais nos aproximaremos da divindade latente em todos nós. Mais tomaremos decisões acertadas, mais evitaremos problemas desnecessários, menos atenção daremos às superficialidades do cotidiano, menos importância ligaremos às futilidades que ocupam o tempo e gastam as energias de consciências ainda primárias.

MEDIUNIDADE E ANIMISMO

Dois autores clássicos estudaram a distinção entre um fenômeno mediúnico e um fenômeno anímico: Alexander Aksakof (1832-1903), em Animismo e Espiritismo e Ernesto Bozzano (1862-1943), em Animismo ou Espiritismo. Ambos pretendiam demonstrar, através de sólida pesquisa com diversos médiuns, que a tese animista de que qualquer fenômeno é sempre manifestação do próprio médium  é insuficiente para explicar todas as manifestações, pois há muitas em que a identidade de outra inteligência comunicante se faz evidente. Isso não invalida que haja de fato fenômenos anímicos, onde é o Espírito do médium que está em ação, como nos casos de telepatia, clarividência, sonambulismo ou desdobramento ou o que hoje chamamos “estados alterados de consciência”. Por exemplo, se o indivíduo se desdobra e vai visitar um local distante, volta e conta o que viu, este é um fenômeno anímico. Diferente do que Aksakof e Bozzano chamam de um fenômeno espírita, quando uma individualidade se manifesta através do médium e traz informações, evidências de identidade, como grafia, estilo de pintura, escrita ou outras, que são diferentes do que o médium sabe, pensa ou costuma demonstrar por si mesmo. O conjunto de evidências da entidade manifestante indica uma  personalidade distinta da do médium.
Anos antes de Aksakof e Bozzano, Kardec já havia se debruçado sobre essas questões, em sua pesquisa pioneira sobre a mediunidade. Ao contrário do que muitos espíritas pensam atualmente (e pensam porque não conhecem e não estudam sufi cientemente os fenômenos mediúnicos), o animismo não é algo necessariamente pernicioso, não é mistificação.
Há dois aspectos que devem se considerados:
1) animismo (um termo que não foi empregado por Kardec, mas o fato está presente em suas obras) é também evidência da independência do Espírito em relação à matéria. Se alguém se desdobra e atua em Espírito e aparece em outro local, como fazia Eurípedes Barsanulfo (que realizava partos a quilômetros de distância, enquanto estava em sala de aula em estado de transe), trata-se de uma faculdade natural, que aponta que somos espíritos encarnados e podemos exercitar nossos dons espirituais.
2) as linhas que delimitam o fenômeno mediúnico do anímico são muito tênues (e isso tanto Aksakof quanto Bozzano também reconhecem). Porque, bem ensina Kardec  em
O Livro dos Médiuns, quando o Espírito do médium age, pode estar em contato com outros Espíritos e, portanto, o fenômeno anímico pode ter algo de mediúnico. Por outro
lado, toda manifestação mediúnica tem algo de anímico, porque se trata sempre de uma comunicação entre duas inteligências, duas individualidades e é impossível que o
médium anule sua própria bagagem cultural, suas emoções, sua forma de ser, para que o Espírito se manifeste plenamente. Por isso um mesmo Espírito, ao se comunicar
por médiuns diferentes (por melhores que sejam esses), pode apresentar alguns traços distintos.
A mediunidade é um fenômeno muito delicado, com muitas sutilezas, e requer um estudo acurado, sempre baseado em observação. É o que perdemos em nosso movimento atual. O melhor médium, como dizia Kardec, é o que menos se engana, não porque queira intencionalmente mistificar, mas porque no diálogo entre os dois mundos, há sempre uma dose de subjetividade que deve ser considerada. Esse olhar prudente (como queria Kardec, racional e científico) não invalida as comunicações, mas nos assegura uma precisão maior na apreciação do conteúdo que nos chega do além.
"Dora Incontri é jornalista e doutora em Educação.
 ICEB - INSTITUTO DE CULTURA ESPÍRITA DO BRASIL / ANO IV - NO 42 - SETEMBRO / 2012 

DESPERTAR ESPIRITUAL


DESPERTAR ESPIRITUAL

Canalização de autoria desconhecida

"Você, nesse momento, está passando por um processo de despertar. O processo de despertar pode ser muito desafiador, pode ser enganador e pode ser lindo, tudo ao mesmo tempo.

Você sabe que está passando por um processo de despertar espiritual quando você começa a questionar coisas que jamais havia questionado antes, coisas como autoridade e estrutura; quando você começa a questionar por que está aqui na Terra, qual o significado da vida, o que é que deveria estar fazendo agora.

Você sabe que está passando por um processo de despertar quando, nos momentos de quietude, você envia uma mensagem totalmente do seu coração, da parte mais verdadeira de seu ser – “Querido Espírito, estou pronto.”


Você diz do fundo verdadeiro de seu ser, “Querido Espírito, querido Ser Eterno, quero fazer algo por mim”.

Você sabe que está passando por um processo de despertar quando todas as velhas crenças não parecem mais ser verdadeiras e as coisas que você mantinha com tanto afeto, agora parecem memórias do passado, coisas do passado. Você sabe que está passando por um processo de despertar quando as coisas que costumavam ser sonhos, objetivos e desejos do eu humano não têm mais importância, mas você não sabe o que importa.

Se você está ouvindo ou lendo isso, ou foi tocado de alguma maneira, estamos aqui para lhe dizer que você não está sozinho. Há seres do Universo do nosso lado que estão aí, com você, nesse momento – não em um futuro, não em algum lugar do passado que você não lembra bem – mas agora mesmo, nesse momento. E com um simples respirar, com sua simples respiração, é aberta a porta para que nós cheguemos perto de você para lhe amar, e lhe lembrar de suas origens, deixando-o saber que temos um imenso amor e compaixão por você.


Você não está só.

Com uma simples respiração nesse momento, você permite o amor e a compaixão de dezenas de milhares e milhares de humanos nesse momento na Terra, que passaram ou estão passando por um processo similar ao seu – o despertar do Espírito. Eles sabem como é perder todas as coisas que eram queridas. Eles sabem o que é ter seus sistemas de crenças desafiados em todos os níveis. Eles sabem como é quando as coisas do mundo material, que eram importantes, de repente começam a se dissolver. Eles sabem como é perder um relacionamento, ou, pelo menos, a ilusão de estar perdendo, de maneira que eles, e agora você, podem começar a se relacionar consigo mesmo. Com uma simples respiração você pode se abrir e se permitir não estar mais sozinho.

Sabemos que tem sido difícil e desafiador, e nós sabemos bem que, o que vem passando é muito cheio de emoção e, às vezes, muito dramático. Sabemos que você vem tentando descobrir o que é, usando sua mente. Você vem usando sistemas, estruturas e métodos, e até agora não encontrou as respostas. Você tentou analisar, mas é algo que não pode ser analisado. Pode ser apenas sentido e experimentado. Você passou, muitos de vocês passaram por aconselhamento – seja profissional ou com amigos – e você sabe, em seu coração, que os métodos e as palavras que eles lhe transmitem não estão verdadeiramente preenchendo esse profundo anseio interno de conhecer-se, e de conhecer o Espírito em você.

Sabemos que, às vezes, você quer apenas desaparecer. Apenas evaporar. Não se trata de morrer, apenas sair da existência. Os desafios, a transformação, as mudanças podem ser demasiadas para o humano, para a mente, para o aspecto de você que tem uma espécie de venda nos olhos, que não vê quem realmente é. Pode ser demasiado e tão duro, que você escolhe sair da existência.

Mas os anjos que estão agora aí com você, e os anjos humanos de pé junto a você, entendem sua jornada. Eles têm algumas mensagens para você hoje. Primeiro, e antes de mais nada, é que você não está sozinho. Segundo, que o processo que você está passando é na verdade muito natural. Pode parecer confuso e você pode se sentir perdido, mas o que está fazendo é muito natural. Você está permitindo que a fachada humana e a ilusão de quem pensava ser se desvaneçam. E enquanto se desvanecem, o que você começa a conhecer, no nível mais profundo e amoroso, é seu ser divino. Ver a si mesmo como Espírito; você conhece a si como divino, não mais limitado a uma velha identidade humana, mas entendendo agora que é eterno, que você é grandioso e pode escolher a sua própria realidade, até mesmo como viver na Terra agora.

Aqueles seres de luz reunidos agora à sua volta partilham com você o fato de que todas as respostas estão internamente. Elas não são encontradas com alguns gurus. Elas não se encontram com algum ser angélico, mas dentro de você.


Viver nesse estado de dualidade como você vem fazendo, vivendo com o conceito de luz e escuridão, bom e mau, masculino e feminino, fez você cair num sistema de crença, que diz que as respostas estão por aí, em algum lugar... De fato elas estão dentro de você. Elas vêm do espaço interior mais verdadeiro e mais precioso, e elas podem ser descobertas no momento de quietude, no momento da respiração, no momento de aceitação de si mesmo.

Partilhamos com você que não há uma meta, não há um propósito, não há algum Deus no céu distante que esteja fazendo você passar por algum labirinto, ou por um curso de obstáculos. Mas a realidade é que, tudo em sua vida é de sua criação, é sua descoberta da beleza, sua descoberta das profundezas da realidade. Tudo que você está experimentando agora, em sua vida, é por sua escolha. Não há forças externas ou seres que estejam fazendo você passar por isso. Não há ninguém ditando o destino de sua vida. Você vai descobrir que tudo é por escolha sua.

Talvez uma parte de si mesmo, muito profunda, tenha desejado ter a experiência de passar pela vida como a conheceu até agora. Mas entenda que você é quem a está criando. E quando você entende isso e toma posse de si mesmo, você começa a entender a beleza de sua jornada. Você passa a entender que não está perdido de maneira nenhuma. Você apenas esteve profundamente imerso numa experiência tão cheia de riqueza, mesmo que dolorosa algumas vezes, mas que trouxe um novo significado e uma nova profundidade a sua alma.

Então, nesse dia, nesse momento, no despertar de seu eu verdadeiro, é hora de dizer adeus ao seu velho eu humano. Você vem tentando ficar agarrado nele, fazendo reparos e revivendo-o, e agora é o momento de dizer adeus a essa identidade humana, às crenças limitadas, ao velho caminho do carma, à velha progressão de vidas que o mantiveram nessa brincadeira de roda. É hora de dizer adeus a tudo isso.

Parte de você pode sentir tristeza. É uma morte da consciência, não uma morte do corpo físico, mas uma morte da consciência. Mas, ao dar adeus ao velho “eu”, você também libera energias que estavam travadas ou feridas, energias que não lhe servem mais e não lhe serviram por muitas, muitas vidas.

Ao dizer adeus ao seu velho eu humano, você descobre uma nova liberdade. É como tirar um terno ou uma armadura de que não se precisa mais. Ao liberar o velho aspecto do eu, você cria agora espaço dentro de você para a entrada do eu maior, o eu divino, seu eu angélico que vem pacientemente esperando com suas asas fechadas, esperando você terminar de jogar esse maravilhoso jogo ou experiência, esperando você fazer a escolha e convidar a entrar agora, nessa realidade, seu eu verdadeiro, o eu divino.

Quando você diz adeus ao seu eu humano, surgem questões de medo, de morte e de perder o controle. Mas, queridos amigos, todas elas são ilusões. Quando você libera quem achava que fosse, você dá espaço para ser tudo que realmente é. Nesse momento, há um sentimento em você de que, se liberar, vai cair num tipo de abismo escuro e eterno, e jamais voltará, jamais será achado, talvez até mesmo fique vagando perdido através das dimensões e universos. Mas esse grupo de anjos, nesse momento com você, e o grupo de humanos com você, todos eles passaram pela experiência, e todos entendem que, quando você libera quem pensava ser, quando você confia em si mesmo no mais íntimo, no nível mais bonito, você descobre quem você realmente é.

Essa escolha é sua, é claro. Depende de você. Mas você chamou, rezou, pediu respostas e...

No despertar de seu verdadeiro eu, você também dá adeus a Terra como a conheceu até então. Muitos chamam a Terra de “Gaia”, a terra, a água, o céu. Gaia é um espírito que cuidou da Terra, que vem alimentando a Terra, todos os seus elementos, todos os seus animais e todas as suas florestas, desde o início dos tempos desse planeta. É sua responsabilidade ser parte dela, da Terra.

No despertar por que passa agora, é também tempo de dar adeus à consciência humana como a conheceu. Você jamais será o mesmo novamente. Recentemente a Terra entrou numa nova esfera. Nós a chamamos a nova consciência, ou a Nova Energia. Nessa nova consciência todas as coisas mudam. A Terra, a consciência humana e os humanos estão evoluindo nesse momento. A mudança que você vê fora de você, pode parecer caótica. Pode parecer que as coisas estão se desenrolando, tudo caindo em pedaços. Pode parecer que há carência de bens essenciais. Pode parecer que as coisas estão constantemente no limite.

É hora de liberar isso também, porque a humanidade está passando por um incrível processo de transformação. Está passando por importantes mudanças e, o que parece ser falta de combustível e petróleo, representa mais novos desenvolvimentos em tecnologia, e novas fontes de energia. Ao invés do velho combustível fóssil, é a descoberta de um novo combustível. O que parece ser carência de alimentos é realmente sobre olhar como cuidar da biologia de uma nova maneira, como alimentá-la de uma nova maneira, como criar as plantações de uma maneira nova, natural e eficiente.

Mudanças nos governos, mudanças na política, tudo é parte do processo. É fácil ficar com medo e se preocupar sobre o que vai acontecer ao mundo nesse momento, mas esse grupo de anjos e esse grupo de humanos, eles sabem que é apenas evolução. Eles sabem que a mudança pode parecer caótica, mas a lei natural da evolução e da expansão está em andamento nesse instante, e você está participando dela.

Trata-se de dizer adeus ao mundo como você o conheceu, mesmo em termos de finanças, prosperidade e riqueza. Por, ah...Tantos e tantos anos na Terra a riqueza, o poder, o dinheiro foram centralizados em tão poucos lugares, e mantidos por tão poucas pessoas, ou consolidados em tão poucos países. Na nova consciência, esse desequilíbrio não funciona mais. Então a riqueza, mesmo o equilíbrio do que vocês chamariam poder, é redistribuída. Isso não significa que alguém ganha menos, significa apenas que, os que estão atrás, agora se nivelam.

O mundo não está se acabando, o mundo está evoluindo.

O mundo está redistribuindo.
O mundo está se tornando mais equilibrado e justo.

No processo de despertar, as coisas podem parecer obscuras. As coisas podem parecer ser do mal. As coisas podem parecer muito confusas, mas estamos aqui para lhe dizer que é apenas evolução. O mundo vai continuar. A Nova Energia vai entrar. O novo entendimento da ciência e da matemática, o desenvolvimento na tecnologia e na educação, tudo está chegando agora mesmo.

O processo de despertar pode ser solitário porque se trata da redescoberta de quem você é, sem ter os outros para lhe dizer isso, sem ter o sistema de crenças dos outros para dar forma e criar sua vida. Sabemos que você vem passando por uma parte de sua vida muito triste, muito obscura e solitária, sentindo-se muito perdido e confuso, como se ninguém o ouvisse. Mas esses seres angélicos e esses seres humanos querem que saiba que nós o ouvimos. Sabemos quem você é. Sabemos o que vem passando. E queremos que você saiba que jamais está sozinho.

Seu processo de despertar vai continuar a se revelar, e nesse processo, você vai ver toda a sua beleza. Você vai ver como você, enquanto um ser divino, na verdade planejou tudo para si mesmo. Você vai ver o medo ir embora. Vai ver as ilusões da dualidade partirem, e serem substituídas pelo conhecimento da unidade.

Você jamais está sozinho..