sábado, 14 de dezembro de 2013

56 - Fé Inabalável, do Livro Justiça Divina - Chico Xavier / Emmanuel (FEB).

* Referência: Capítulos do Livro Justiça Divina - Chico Xavier/Emmanuel (FEB).
Objetivo: estudo de questões do livro O Céu e o Inferno (CI) de Allan Kardec.
Roteiro: Meditação - Leitura da Questão - Curiosidades.
(Meditação sobre o capítulo 56-Invocações)
Reunião pública de 4-9-1961
CI – 1a. Parte - Cap. X – Item 9.

56-Jornal_close
Faz poucas semanas, tive a felicidade de ler sobre o ex-médium (se é que é possível deixar de ser médium) e atual evangélico Héber Soares.
A história narrada pelo pastor Caio Fábio na obra “Nos Bastidores dos Espíritos” é extremamente interessante por revelar a capacidade mediúnica do amigo amazonense Héber Soares.
Mais de 85 mil pessoas foram atendidas pela equipe médica que se manifestava pela mediunidade dele, nas décadas de 60 e 70, tendo inclusive operado a si mesmo por um espírito que apresentava-se como sendo Bezerra de Menezes.
Mas era patente a falta de aprofundamento dele no Estudo Doutrinário !!
E, como nos diz Jesus na Parábola do Semeador, a falta de raízes profundas e as atribulações da vida fez Héber renunciar ao sacerdócio mediúnico.
Interessante, porém, é o principal argumento usado pelo pastor Caio Fábio para justificar a necessidade de mudança de Héber: consultar os mortos, assim como faz a Doutrina Espírita, seria abominação perante Deus.
E argumenta embasado principalmente no Velho Testamento (ex. Deuteronômio 18:9-12), em passagens dos Atos dos Apóstolos e em passagem do Apocalipse. Curiosamente, nenhuma citação dos 4 Evangelistas.
56-Livro bastidoresNeste capítulo, Emmanuel lembra dos detratores, dos inimigos gratuitos da Doutrina Espírita, que buscam insinuar que somo uma versão moderna dos magos e sibilas da antigüidade, com seu filtros e sortilégios milagrosos.
Lembra de outros que, sem fazer um estudo sério, crêem ter desvendado os truques de hipnose e ilusionismo, ou mesmo que argumentam tudo não passar de efeitos neurológicos explicáveis pela medicina.
É imperioso anotar, contudo, que toda formação espírita guarda raízes nas fontes do Cristianismo simples e claro, com finalidade morais distintas, no aperfeiçoamento da alma, expressando aquele Consolador que Jesus prometeu aos tempos novos.” – esclarece Emmanuel.
Na verdade, o Espiritismo revive as lições do Mestre Jesus de forma pura, sendo estas desenvolvidas para nosso entendimento através da Codificação Kardequiana.
É dessa forma, da forma que o próprio Jesus demonstrou, que prodígios acontecem, que a fé se estrutura e se confirma, que discernimentos são construídos e passos firmes na senda evolutiva são galgados.
56-Oracao
Tudo isso, compreendendo que os irmãos de outras crenças constróem os seus próprios caminhos para os mesmos objetivos.
Os Católicos, que invocam a presença de Deus e a proteção dos santos.
Os Islamistas, que invocam as bênçãos de Alá.
Os Budistas, que invocam a paz de Gautama, o Buda, através da Óctupla Senda.
Os Moisaistas, que, por vários preceitos, invocam o amparo do Senhor Todo-Poderoso.
Assim também nós fazemos!
Invocamos a inspiração de Jesus e dos bons espíritos na busca da oração sincera e do estudo da verdade.
No esforço do entendimento de nossas crenças e de cada oração, abrimos mão da pompa, dos rituais e do culto exterior, construindo uma fé inabalável, capaz de encarar a razão face a face em qualquer tempo.
56-jesusSim, nossa fé religiosa se apoia no entendimento e na razão, projetando-se para além delas.
Postula complementos para Ciência.
Desdobra-se em novas perspectivas para a Filosofia.
E nos liberta, pois afirma que só de nosso esforço depende a nossa evolução
E Emmanuel acrescenta: “... ninguém pode olvidar que Allan Kardec, evidenciando a necessidade de aliança do raciocínio e do sentimento, nas jornadas do Espírito, iniciou a obra monolítica da Codificação perguntando pela essência de Deus.

Sem comentários:

Enviar um comentário