terça-feira, 25 de junho de 2013

Mensagem de Chico Xavier sobre a tragédia de Santa Maria


Mensagem do Espírito Chico Xavier, recebida no dia 30/01/13, no Monte Alverne - Brasília, pela mediunidade de Ariston Teles.
Muito já se falou e/ou escreveu sobre erros e responsabilidades de autoridades,empresários,músicos etc.Neste vídeo, para quem acredita nas possibilidades de mediunidade e reencarnação,algumas possíveis respostas são dadas pelo médium Chico Xavier,como por exemplo "Por que Deus permitiria que tragédias como a de Santa Maria e outras acontecessem?".Nós,seres humanos só analisamos o que vemos e não acredito em um Deus vingativo,mas profundamente sábio e justo.Como Chico Xavier menciona no vídeo,seria necessário ocorrer a devida depuração para o resgate,fica a interrogação:Será que estas pessoas estavam envolvidas em vida anterior agindo nas mortes das câmaras de Auschwitz? Provavelmente nunca saberemos,mas com certeza Deus sabe!

Para quem busca uma resposta para acontecimentos como o incêndio de Santa Maria, há uma mensagem de Emannuel neste sentido:

COMO A DOUTRINA ESPÍRITA ENTENDE "DESENCARNAÇÕES COLETIVAS", pelo Espírito Emmanuel:

-- Sendo Deus a Bondade Infinita, por que permite a morte aflitiva de tantas pessoas enclausuradas e indefesas, como nos casos dos grandes incêndios?

(Pergunta endereçada a Emmanuel por algumas dezenas de pessoas em reunião pública, na noite de 23-2-1972, em Uberaba, Minas.)

RESPOSTA:

Realmente reconhecemos em Deus o Perfeito Amor aliado à Justiça Perfeita. E o Homem, filho de Deus, crescendo em amor, traz consigo a Justiça imanente, convertendo-se, em razão disso, em qualquer situação, no mais severo julgador de si próprio.

Quando retornamos da Terra para o Mundo Espiritual, conscientizados nas responsabilidades próprias, operamos o levantamento dos nossos débitos passados e rogamos os meios precisos a fim de resgatá-los devidamente.
É assim que, muitas vezes, renascemos no Planeta em grupos compromissados para a redenção múltipla.

Invasores ilaqueados pela própria ambição, que esmagávamos coletividades na volúpia do saque, tornamos à Terra com encargos diferentes, mas em regime de encontros marcado para a desencarnação conjunta em acidentes públicos.

Exploradores da comunidade, quando lhe exauríamos as forças em proveito pessoal, pedimos a volta ao corpo denso para facearmos unidos o ápice de epidemias arrasadoras.

Promotores de guerras manejadas para assalto e crueldade pela megalomania do ouro e do poder, em nos fortalecendo para a regeneração, pleiteamos o Plano Físico a fim de sofrermos a morte de partilha, aparentemente imerecida, em acontecimentos de sangue e lágrimas.

Corsários que ateávamos fogo a embarcações e cidades na conquista de presas fáceis, em nos observando no Além com os problemas da culpa, solicitamos o retorno à Terra para a desencarnação coletiva em dolorosos incêndios, inexplicáveis sem a reencarnação.

Criamos a culpa e nós mesmos engenhamos os processos destinados a extinguir-lhe as conseqüências. E a Sabedoria Divina se vale dos nossos esforços e tarefas de resgate e reajuste a fim de induzir-nos a estudos e progressos sempre mais amplos no que diga respeito à nossa própria segurança. É por este motivo que, de todas as calamidades terrestres, o Homem se retira com mais experiência e mais luz no cérebro e no coração, para defender-se e valorizar a vida.

Lamentemos, sem desespero, quantos se fizerem vítimas de desastres que nos confrangem a alma. A dor de todos eles é a nossa dor. Os problemas com que se defrontaram são igualmente nossos. Não nos esqueçamos, porém, de que nunca estamos sem a presença da Misericórdia Divina junto às ocorrências da Divina Justiça, que o sofrimento é invariavelmente reduzido ao mínimo para cada um de nós, que tudo se renova para o bem de todos e que Deus nos concede sempre o melhor.

Mensagem psicografada por Francisco Cândido Xavier, constante do livro Chico Xavier Pede Licença, de Francisco Cândido Xavier e J. Herculano Pires, publicado pelo GEEM -- Grupo Espírita Emmanuel S. C. Editora.

Sem comentários:

Enviar um comentário