sábado, 11 de maio de 2013

Em louvor das mães


O lar é a célula ativa do organismo social e a mulher, dentro dele, é a força essencial que rege a própria vida.
Se a criança é o futuro, no coração das mães repousa a sementeira de todos os bens e de todos os males do provir.
O homem é pensamento.
A mulher, o ideal.
O homem é a oficina.
A mulher, o santuário.
O homem realiza,
A mulher inspira.
Compreender a gloriosa missão da alma feminina, no soerguimento da Terra, é apostolado fundamental do Cristianismo renascente em nossa Doutrina Consoladora.
Auxiliar, assim, o espírito materno no desempenho de sua tarefa sublime constitui obrigação primária de todos nós que abraçamos nos Centros Espíritas novos lares de idealismo superior e que buscamos na Boa Nova do Divino Mestre a orientação maternal para a renovação de nossos destinos.
Nesse sentido, se nos cabe reconhecer no homem o condutor da civilização e o mordomo dos patrimônios materiais na gleba planetária, não podemos esquecer que, na mulher, devemos identificar o anjo da esperança, ternura e amor descer para ajudar, erguer e salvar nos despenhadeiros da regenerativa, os tabernáculos de serviço e purificação.
Glorifiquemos, desse modo, o ministério santificante da maternidade na Terra, recordando que o Todo-Misericordioso, quando se dignou a enviar ao mundo o seu mais sublime legado para o aperfeiçoamento e para a elevação dos homens, chamou um coração de mulher, em Maria Santíssima, e, através das suas mãos devotadas à humildade e ao bem, à renunciação e ao sacrifício, materializou para nós o coração divino de Nosso Senhor Jesus Cristo, à luz de todos os séculos e o alvo de redenção da Humanidade inteira.
- Emmanuel-

Sem comentários:

Enviar um comentário