sábado, 30 de junho de 2012

Há 10 anos o Brasil e o mundo se despediam de Chico Xavier

O homem simples que, apesar de professar a fé espírita, transcendeu religiões pela prática do bem, fechou os olhos para o mundo dos vivos há exatos dez anos para dar lugar ao mito que permanece mais presente do que nunca nos corações de quem o admira. Francisco Cândido Xavier, ícone do Espiritismo no Brasil, faleceu no dia 30 de junho de 2002. Como numa profecia, o médium havia dito que queria morrer num momento de alegria para os brasileiros. Ele acertou: naquele dia, a seleção de futebol foi pentacampeã da Copa do Mundo.

Há uma década o "mui amado Tio Chico", como gostavam de chamá-lo amigos mais próximos, retornava à pátria espiritual a qual ajudou a desvendar por meio de mensagens orais e escritas, ditadas pelos espíritos. Em contato com o mundo invisível desde criança, faculdade denominada pela doutrina espírita de mediunidade, Chico Xavier psicografou mais de 400 livros, entre romances, poesias, livros de mensagens e de estudo, mesmo tendo concluído apenas o ensino primário.

Além dos livros publicados, Chico ganhou fama depois das participações no programa de televisão Pinga Fogo, veiculado pela extinta TV Tupi Canal 4 de São Paulo, nos dias 28 de julho e 21 de dezembro de 1971. O primeiro programa, com previsão inicial para durar uma hora, acabou por se estender por mais de três horas, enquanto a segunda edição durou quatro horas.

Ao vivo e com retransmissão em rede nacional - fato pouco comum para as emissoras de TV da época -, o médium foi sabatinado por jornalistas conceituados como Saulo Gomes, Herculano Pires e Durval Monteiro, além do intelectual católico João Scantimburgo e do cientista espiritista Hernani Guimarães Andrade. Foi um inegável sucesso de audiência, com 75% dos televisores da cidade de São Paulo sintonizados no programa.

Apesar de toda notoriedade, o mineiro era exemplo de humildade. Todo o dinheiro da venda dos livros foi destinado a obras assistenciais, primeiro em Pedro Leopoldo (MG), onde nasceu, depois em Uberaba (MG), onde passou a viver no final da década de 50. Mais do que livros e programas de TV para divulgar o espiritismo, Chico deixou um legado de consolação, amor e caridade.

A obra de Chico Xavier - escrita e exemplificada - continua, mesmo após seu desencarne (como os espíritas chamam a morte), a orientar e acalentar o coração de milhares de pessoas. O médium faleceu em Uberaba, aos 92 anos, vítima de um ataque cardíaco.
Fonte: NE10

Sem comentários:

Enviar um comentário